Categoria Artigos

Entrevista com o Oficial de Policia e editor da Revista UFO TRUTH da Inglaterra Gary Heseltine .

Ola amigos no link a entrevista que realizei com o Editor da revista ufo truth e Oficial de Policia do Reino Unido Gary Heseltine que nos relata em entrevista sobre os seu trabalho de pesquisa e o lançamento do projeto de documentário chamado CAPEL GREEN que ira ser lançado em Dezembro deste ano.( Trailer na entrevista). Também um vídeo inédito de um óvni que ele mesmo registrou no Reino Unido.
 
O documentário aborda sobre um dos incidentes mais famosos do Reino Unido o Caso Rendlesham Forest.
 
Em 1980, militares norte-americanos estacionados em duas bases aéreas, Woodbridge e Bentwaters, notaram um objeto sobre a floresta de Rendlesham, Inglaterra. Ao entrarem no bosque para investigar, viram que havia muita interferência em seus rádios, dificultando a comunicação. Segundo relatos, eles teriam visto luzes não identificadas e um estranho objeto triangular pousado na floresta. Mais tarde, a radiação infravermelha foi detectada naquela área. Os militares tiraram diversas fotos do local e da nave.
 
Nesta entrevista Gary nos expõe interessantes informações sobre o caso Rendlesham Forest e menciona sobre a tentativa de acobertamento dos fatos por parte das autoridades britânicas.
 
Gostaria de agradecer ao Legendas Tunguska( Leandro Murta) pela tradução. =)
 
Confiram!!
 
https://www.youtube.com/watch?v=k7fVrBSENFg&t=83s

Vitório Peret um dos maiores Pesquisadores da Operação Prato

Marco Petit, Vitorio Peret, Marco A. Leal, Marcos Gurgel - G.E.P.U.S.

A reabertura da casa de um americano que morou na Ilha do Mosqueiro, na Baía do Sol, no Pará, estimulou uma nova investigação por parte do pesquisador Vitório Peret, que esteve envolvido com a Operação Prato, a mais conhecida incursão do Exército brasileiro para apurar fatos relacionados com extraterrestres e objetos voadores não identificados, na década de 1970. Ele vai fazer a investigação ao lado de Armando Monteiro, companheiro de pesquisas na área de ufologia. Foi na Baía do Sol que os militares da Operação Prato conseguiram coletar pelo menos 80% de seu material, incluindo imagens dos objetos.

Peret revelou, durante sua participação do II Fórum Mundial de Contatados, que foi realizado em Curitiba neste fim de semana, que há cerca de três meses começou a investigar o que este americano fazia na ilha no período. A presença dele pode ser a prova de que os Estados Unidos estavam monitorando a situação e se envolveram com a apuração dos fatos, mesmo que de maneira não oficial. O americano chegou à ilha em 1975, quando já havia relatos dos fenômenos que atingiam as regiões Norte e Nordeste do Brasil, com voos rasantes de discos voadores e pessoas que foram atingidas por feixes de luz, inclusive que causaram queimaduras.

Este americano seria um piloto comercial que entrou para a Nasa e que de repente apareceu na Ilha do Mosqueiro em meio às evidências de atividades extraterrestres na área. “Os vizinhos dele na ilha relatavam que ele tinha equipamentos muito modernos para a época e em relação ao que havia na região, como uma estrutura para radiocomunicação que não existia nem em Belém, e até um notebook, algo impensável para a época. A lancha dele era a mais rápida da região e ele nunca comprou nada na ilha. Nem um pão. Duas vezes por semana, ele saía de lancha e voltava com mantimentos”, relata Peret.

A casa onde o americano morava tinha uma vista privilegiada para a baía e ficou fechada nos últimos 20 anos. Recentemente, foi reaberta e no local foram encontradas imagens de espaço e foguetes, com muitas assinaturas de americanos, o que pode indicar que o oficial da Nasa recebia visitas. Outro fato curioso foi o fato das paredes de um dos cômodos da casa estarem repletas de fórmulas, que foram deixadas ali de maneira bastante padronizada. O homem morreu na ilha, em 1982.

“Sempre houve a dúvida da presença e da interferência americana na Operação Prato. Durante a operação em si, foi me dito que nas missões de vigília eles (americanos) nunca participaram. Mas havia alguma coisa camuflada”, afirmou Peret, em entrevista exclusiva ao Terra.

Na opinião do pesquisador, o material da Operação Prato provavelmente nunca seja divulgado. Parte dele foi destruída e ele acredita que muitas imagens e relatórios não estejam mais em poder da Aeronáutica. Há uma grande desconfiança de que tudo foi encaminhado aos Estados Unidos.

Em sua palestra durante o fórum, Peret contou sobre as imagens e vídeos que teve acesso em reuniões com militares envolvidos na Operação Prato, além dos fenômenos que presenciou.

UMA EXCELENTE PALESTRA, CONFIRAM:

Vídeo fonte – Canal Anônimo Silva

Texto fonte – Site Terra

Casos de avistamentos de Ovnis em Sorocaba-sp e região

O G.E.P.U.S. aborda a casuística ufológica na cidade de Sorocaba e Região!Tivemos a participação especial do convidado professor e pesquisador Mauricio Eloy que testemunhou uma nave em Sorocaba no ano de 1990

MISTÉRIOS EM MARTE

Região de Cydonia
Essas fotos foram conseguidas pela sonda Viking, em 1976, e nela aparecem estruturas piramidais e uma formação semelhante a uma Face. Esta aparece numa outra foto, com o Sol iluminando-a em 20° diferença na angulação de luz.

Recentemente os americanos comemoraram sua independência colocando uma nave não tripulada na superfície de Marte. A NASA gastou milhões de dólares para mandar a nave Pathfinder e o robô Soujourner ate este planeta. Esta missão teve como principal objetivo colher elementos sobre a composição da superfície e da atmosfera de Marte. Outro objetivo não menos importante era tentar identificar vestígios de vida no planeta vermelho. Desde a última vez que uma nave da Terra esteve em Marte, a Viking em setembro de 1976, muito se tem especulado sobre a possibilidade de vida neste planeta e, principalmente, que a NASA estaria escondendo importantes descobertas realizadas na sua superfície. No entanto, ate o momento não existe nenhuma evidencia de vida, pelo menos parecida com a nossa, em nosso vizinho planeta. Parece que em nosso sistema solar somente a Terra apresenta, pelo menos atualmente, condições ambientais ideais para o desenvolvimento natural de vida inteligente. Por outro lado, devido as grandes distâncias, vir de outros sistemas, mesmo os situados em nossa galáxia, iria exigir um tempo de viagem e uma quantidade de energia incompatíveis com os recursos universais disponíveis e conhecidos da nossa ciência.

Estatisticamente, entre os milhões de planetas que devem existir no Universo com condições de desenvolvimento de vida parecido com o nosso, todos devem estar a distancias ainda inconcebíveis de serem alcançadas por naves construídas pelo homem. Alias, este e um dos principais argumentos utilizados pelos opositores da Ufologia. Segundo estes, tomando como base a velocidade da luz e as quantidades de energia necessárias, viagens espaciais para planetas e sistemas tão distantes são impossíveis de serem realizadas. E ainda, como as leis Físicas são universais, se houve desenvolvimento de vida inteligente nestes sistemas, por mais adiantados que eles estejam, viagens no sentido inverso também o serão. Assim, se aceitarmos como verdadeiros estes argumentos, em parte usados por muitas pessoas para justificar a sua descrença na existência de discos voadores, seria muito difícil de acreditar que a grande quantidade de avistamentos e contatos, que nos últimos 50 anos tomamos conhecimento quase que diariamente, sejam verdadeiros.

Imagem colorizada da Face e na região de Cydonia em Marte

Estas são as imagens famosas da sonda sovietica Viking que mostra a Face em Marte e outras características anômalas. A ” Face ” em Marte é uma formação de pedra na superfície de Marte que se assemelha a um rosto humano enorme fitando diretamente o espaço. Tem aproximadamente 2.5 km de comprimento e 2.0 km de largura, 0.4 km de altura e é localizada em uma planície plana conhecida como Cydonia Mensae em Marte, no hemisfério Norte. A Face e outros objetos descritos aqui foram fotografados pela sonda Viking no verão de 1976, de uma altitude de aproximadamente 1700 quilômetros. O objetivo da missão Viking era procurar evidência de vida inteligente em Marte, ou agora ou no passado.

A foto da Face foi descartada por cientistas no Laboratório de Jato-Propulsão (Jet Propulsion Laboratory) como um truque de luz e sombreamento e foi esquecida.
A imagem original foi redescoberta por Vincent DiPietro e Gregory Molenaar, dois engenheiros do Centro de Vôo Espacial (Goddard Spaceflight Center), vários anos depois. Eles também acharam a segunda imagem, contendo a Face sob uma iluminação ligeiramente diferente, com o Sol aproximadamente 20 graus mais alto no céu.
As primeiras duas imagens foram processadas a partir de emissão original. O processo consistiu em aplicar um filtro, definindo e aumentando o contraste e o brilho, e removendo o ruído(interferências) da imagem.

A primeira foto obtida.

A segunda imagem, com a iluminação diferenciada.

Estrutura Piramidais

Perspectiva em 3-D.

Close-up da Pirâmide DM (DiPietro e Molenaar). Nota-se o que poderia ser interpretado como possível dano de explosão, ao lado direito. A base da Pirâmide é de aproximadamente 51km, a altura aproximada é de 1250 metros.

Visão estereoscópica da Pirâmide DM e a área circunvizinha.

Visão estereoscópica da Pirâmide DM aumentada 2 vezes.

 Phobos 2

 

Os cientistas trabalharam sobre os últimos restos de filme que a sonda mandou para a Terra, mas estes renderam mais perguntas que as respostas. Segundo o noticiário da Tv soviética, as fotos gravadas pelas câmeras da Phobos2, que naquele momento estavam apontadas para Marte, revelaram uma escura forma elíptica entre o satélite e a superfície do planeta.

Quando a sonda soviética Phobos 2 estava em órbita em torno de Marte, no dia 27 de março de 1989, perdeu-se contato com o satélite em circunstâncias não explicadas. Os comentários oficiais foram mínimos, mas levantaram as antenas dos entusiastas de OVNIs. Parecia haver suficiente informação para desconfiar que as autoridades ocultavam uma inquietante possibilidade: a sonda soviética pode ter sido atacada por uma nave alienígena. A Phobos 2 foi lançada em meados de 1988, para estudar Marte e sua lua Phobos, que deu nome à nave. No mês de março seguinte ja havia mandado fotos de Marte e da elíptica e encaroçada Phobos e deveria mandar mais.

Às 15h59, horário de Moscou, o sinal da nave desapareceu abruptamente. Nada mais se ouviu até as 20h50 quando um débil contacto foi restabelecido por treze minutos após os quais o sinal cessou completamente. Mais tarde, os engenheiros relataram que a Phobos 2 saíra girando fora de controle e que o provável responsável por isso fora um defeito do computador ou, aumentando o mistério, a colisão com um objeto não identificado.

Os cientistas trabalharam sobre os últimos restos de filme que a sonda mandou para a Terra, mas estes renderam mais perguntas que as respostas. Segundo o noticiário da Tv soviética, as fotos gravadas pelas câmeras da Phobos2, que naquele momento estavam apontadas para Marte, revelaram uma escura forma elíptica entre o satélite e a superfície do planeta. Consta que a última imagem fotográfica que ainda não foi tornada pública, é ainda mais estranha. Nas palavras de um cientista britânico, aparentemente os soviéticos viram nela uma coisa que não deveria estar lá.
Como não houve outra informação oficial, as causas da perda da perda da Phobos 2 estão abertas à especulação. O escritor americano Zecharia Sitichin, cuja teoria sobre a herança alienígena da humanidade, une-se a ouros membros da comunidade ufológica na opinião de que o objeto escuro é de fato uma espaçonave alienígena. Ele acha que a última fotografia secreta é o primeiro registro de uma real guerra nas estrelas: uma nave alienígena atacando e destruindo a intrusa Phobos 2.

DESCRIÇÃO DA TIPOLOGIA DE EXTRATERRESTRES

O ufólogo espanhol Salvador Freixedo, acompanhando outros ufólogos de várias partes do mundo, classificou os Ets de acordo com seu aspecto, procedência, tipo de contatos, etc, em tipos I, II, III, IV, V, mas com freqüência, nos artigos referentes encontramos outras denominações como as que os classificam pelas primeiras letras do alfabeto grego. Assim, de acordo com os diferentes ETs contatados, temos diversos tipos como:

Et tipo Alfa (ou alfa-cinzentos), onde podem enquadrar-se os ETs chamados por alguns autores de “reticulanos”, rigerianos, “povo da serpente”, “povo de ibis” etc. Estes alienígenas são de pequena estatura, pele acinzentada, olhos pretos grandes, oblíquos e sem nariz; as orelhas em geral são pontudas e quando possuem nariz, este costuma ser grande. Alguns são tímidos e lembram duendes das nossas lendas, outros são muito ativos e intelectuais. Aparentemente agem como se fossem robôs e tivessem um comando único dirigido por cérebro comum.

Et tipo Alfa (ou alfa-cinzentos), são aqueles estraterrestres de aparência bonita (homens e mulheres São muito parecidos), são louros altos (mais de 2,50m) ou louros do nosso tamanho (chamados também de procianianos). Estes seres são bem parecidos com os seres humanos, possuem olhos e pele clara, cabelos compridos e sempre demosntram grande sabedoria. Respeitam o livre-arbítrio e aparentam possuir hábitos suaves e pacíficos.

Entidade ciclóptica e de elevada estatura que foi observada em ocorrência em Belo Horizonte. O ser apresentou-se amistoso, embora cuidadoso e muito forte. Esta classificado como: Tipo Gama

ET classificado como tipo Delta (bizarros e Robóticos) São seres de grande capacidade mental e poderes hipnóticos, são alienígenas que possuem um tipo mais grosseiro, são grandes e por vezes chegam a parecer um robo.

ET classificado como: Tipo Ômega (energéticos). São seres luminosos, possuem um corpo mais sutil que o nosso, São muito espiritualizados, geralmente se apresentam mostrando muita leveza flutuando ou voando, de tal foram que normalmente são confundidos com anjos, arcanjos ou com figuras bíblicas.

Et classificado como tipo Sigma

Entidade ciclóptica e de baixa estatura que foi observada em alguma ocorrência rara. O ser tem um aspecto amistoso, embora pareça ser muito cuidadoso.

Criatura extraterrestre de pêlos e enorme resistência física que atacou suas testemunhas nas poucas ocasiões em que foram observadas.

Extraterrestre de baixa estatura, sempre de escafrando e de comportamento dócil e amistosos, presente em muitas observações europeias

Entidade de escafrando e roupa protetora que seqüestrou o mineiro Antonio Villas Boas, um dos casos clássicos da ufologia. Comportamento hostil.

Criatura de espectro amorfo cuja observação ainda é muito discutida. Segundo relatos, o ser ofereceu um tipo de alimento às testemunhas.

Entidade mítica observada em casos de contatos com elevados graus de estranheza. Tem pele esverdeada e esta relacionado com as pesquisas oficiais da USAF

Ser típico em contatos com extraterrestres observado sempre com uma bola luminosa na mão, que possivelmente está ligada à forma como voa e flutua no ar.

Alguns exemplos de seres avistados:

As duas variedades de humanóides que se repetem na fenomenologia dos encontros são estas: seres anões de crânio hiperdesenvolvido e seres muito altos humano e de proporções harmônicas.
Retrato falado dos humanóides descritos por José Higgins, no Brasil.

Desenho do “humanóide” visto na estrada de Zafra a Huelva (Espanha) em 14 de novemnbro de 1968 Trata-se de um dos encontros que a
ufologia considera como documentados

Uma figura descrita como muito semelhante a um robô de aspecto metálico aterrorizou a testemunha em Cisco Grove. O robô expeliu pela sua larga boca algo semelhante a um vapor, que fez o caçador desmaiar.

Desenho realizado por Hickson e Parker de um dos três seres que o introduziram num OVNI para submetê-los a uma espécie de “reconhecimento”. O acontecimento foi em Pascagula (Mississipi), em Outubro de 1973.

 


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/ufoturismo/www/wp-includes/functions.php on line 3730

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (1) in /home/ufoturismo/www/wp-includes/functions.php on line 3730